Aug 09, 17

Eu sou bastante ansiosa. Bastante mesmo, daquelas que tem plano A, B e C pra tudo. E não digo isso só como força de expressão – eu *realmente* penso em tudo que pode dar errado e em todas as soluções possíveis para esses problemas imaginários, porque vai que né…

E olha, isso é bem cansativo. Gasta uma energia mental que cês nem imaginam (ou imaginam, sei que tem muita gente assim por aí). Ter que calcular tudo na sua cabeça, o que acontece se A não der certo, como a gente vai fazer com B, mas e se B não for como planejado… Gente, que desgaste!

A gente vai aprendendo as coisas ao longo do tempo. Hoje eu tenho 28 e aos 40 eu quero estar DE BOA. O que eu sei que não vai acontecer porque é um aprendizado eterno e blá blá. Mas sabem que eu tenho pensado bastante em uma coisa que li em algum lugar que não lembro, é o seguinte:

O que quer que aconteça, você vai ficar bem.

Você pode ficar triste, mas você vai ficar bem. Se você perder seu emprego, você vai sobreviver. Se você tiver que cancelar sua conta do celular #problemasdeprimeiromundo, você não vai morrer. Se você se separar do seu namorado, por mais dolorido que seja, você vai continuar. Você acha outro emprego, outro namorado, muda pra um plano mais barato, pede dinheiro emprestado. Nada disso pode ser ideal, mas nada disso te mata. E é fase. Nada disso significa que você vai continuar fodida pro resto da vida, que por mais clichê que pareça, é feita de altos e baixos (geralmente 5 minutos de alto e 5 anos de baixo, mas né, de cavalo dado não se olha os dentes).

Pensar nisso tem me dado um certo conforto. Eu sempre me desespero com 1 (uma) coisinha que não foi como eu esperava e fico achando que É O FIM DO MUNDO E MEU DEUS O QUE EU VOU FAZER MINHA VIDA ACABOU. Cabou nada…

Eu subestimo MUITO minha resiliência – eu até achava que não tinha nenhuma – só que resiliência é isso aí ó. A gente tá feia fodida e mal paga e continua aí. Tá triste, toda ferrada emocionalmente, mas tá respirando. O importante é isso, fazer o máximo que a gente pode, mesmo que o máximo não seja lá grandes coisas. Inspira, respira.

E assim seguimos.

Aug 22, 15
Sobre ser imigrante
Jan 06, 16
10 coisas para 2016
Jan 23, 16
Dona Rosa falou, tá falado.



  • 09 . 08 . 2017

    “penso em tudo que pode dar errado e em todas as soluções possíveis para esses problemas imaginários, porque vai que né” hahahaha eu to rindo porque é a definicao de mim mesma. E as pesssoas nao me aguentam porque eu sempre tenho um “e se…”

  • 09 . 08 . 2017

    nem preciso comentar, paciência e sabedoria e isso tudo o que você disse! E ainda temos os amigos pra nos ajudar né! Beijos

  • 09 . 08 . 2017

    Eu amei e me identifiquei TANTO com esse post que nem sei…
    Eu me adapto muito fácil às mudanças, mesmo que “negativas”… Mas antes que elas aconteçam eu sofro MUITO. Exatamente como se o mundo fosse acabar se elas acontecessem.
    Beijos!

  • 09 . 08 . 2017

    Amei ler esse texto e me identifiquei demais. Escrevi um post parecido, mas não consegui publicar porque, né, as pessoas. Também tenho sempre o plano A, o B, o C, o D… a lista nunca termina e parece que o nosso medo também não. É reconfortante saber que tem gente lá fora sentindo essas coisas, gente que eu admiro (demais <3), é mais uma prova de que vai ficar tudo bem sim. Talvez a gente chegue nos 40 DE BOA. Ou bem perto disso. :)

  • 09 . 08 . 2017

    e esse post que foi escrito pra mim?????????????????? <3