Mar 05, 14
9WL0hyR

Você tem 14 anos.

Você está na idade em que tudo muda. Começando a experimentar por você mesma uma pitada do que esse mundão lá fora tem a te oferecer. Escolhendo em quê você acredita. Uma viagem abrirá sua mente e você conhecerá coisas, pessoas e culturas que você nem imaginava existir. Conflitos contínuos com sua mãe. Compreenda que você não é fácil.

Eu, sendo você 10 anos mais velha, vejo o impacto que certas coisas que aconteceram nessa época tiveram em nós, em nossa personalidade, em como nós lidamos com a vida hoje em dia. Seja quem você quer ser, Bárbara. E jamais tenha vergonha disso. Não deixe que a timidez, medo das críticas e brincadeiras de mal gosto te impeçam de ser como você realmente é por dentro.

É como se tudo que você fosse não coubesse dentro de você. Esse sentimento vai durar, creio, até o fim de seus dias.

Seja mais amiga da sua mãe. Respeite-a. Cuide bem dela. Aproveite sua companhia. Ela também era difícil 10 anos atrás e te garanto que isso não muda. Aprecie o bom coração que ela tem. Agradeça. Muito.

Faça as pazes com seu pai. Apenas.

Dê um último abraço na sua avó. Olhe, repare, analise. Aquele jeitinho que ela fazia bico quando estava com raiva (mas não aguentava segurar o riso quando você a imitava). O leite quentinho com canela que ela levava pra você na cama. O jeito que ela enxugava as lágrimas na barra da saia quando você tinha que ir embora. 10 anos depois, Bárbara, você ainda vai sonhar e pensar nela todos os dias.

É com essa idade que você vai andar de avião pela primeira vez. Vai conhecer um mundo completamente diferente do seu, vai aprender inúmeras coisas. Admire o esforço de sua mãe. Defenda-a com tudo que você tem em você. Eu gostaria de te dizer aqui, pra não ficar com muitas saudades e pensar em ir embora, mas, como sempre, nada acontece por acaso.

Essa é uma época extremamente importante pra nós. É uma época de decisão: Quem é você? Se descubra e não se esconda.

Viva. Não tenha vergonha. Não se compare e não se deixe comparar com absolutamente ninguém. Aprenda cedo a não dar importância para o que os outros vão achar de você. Isso é essencial.
Você tá indo bem, vai por mim.

O Rotaroots surgiu entre amigos blogueiros de longa data como objetivo de se motivarem a manterem um número de atualizações em seus respectivos blogs e principalmente, de resgatar aquela paixão em manter seus diários virtuais, perdida em meio a looks do dia, tutoriais de maquiagem e receitas de whey protein. A partir disso, nos unimos e criamos esta iniciativa, que visa incentivar a escrita livre e cagações de regra, além de resgatar a velha motivação de compartilhar situações e fatos cotidianos como nos velhos tempos! – Tema inspirado na ideia inicial do Hypeness.

Feb 16, 14
Coisas que eu não vivo sem
Jun 14, 14
Internet old school
Apr 06, 14
Discos que marcaram a minha vida



  • 05 . 03 . 2014

    Babi, emocionante a sua carta, principalmente quando fala da sua avó e sua mãe. Ah, se eu pudesse dar um último abraço na minha avó…

  • 05 . 03 . 2014

    Adorei sua carta. Quase chorei na parte em que fala da sua avó, eu adoro velhinhos e eles me encantam, tem um cheirinho bom. Deve ser horrível quando partem.
    Os últimos conselhos são mesmo importantes, pena que a gente demora um pouco a acatar. :(
    Adorei seu blog, muito lindo. Beijos, querida :)
    http://www.canseidesernerd.com

  • 05 . 03 . 2014

    Babi, fiquei emocionado com sua carta.

    Que linda! Que delicada, que tudo! <3

    Pensei em algumas coisas parecidas com as que você escreveu quando escrevi a minha, principalmente lembrança de avós.

    Bjs.

  • 05 . 03 . 2014

    Ai Babi eu não me aguento quando leio sobre vó nas cartas. Fico imaginando as criaturinhas mais fofas desse mundo <3 minha avó também enxugava as lágrimas no vestido, mas era na manga (ai que saudade!).

    Eu dei um último abraço na minha avó e lembro até hoje das palavras dela. Lembro do dia, de como estava, de como foi difícil voltar para casa sem ela…

    Sua carta poderia ser minha sabe? Muito do que tem aí sobre pai, avó e sentimentos são parecidíssimos com a década que vivi.

    Beijinhos, e sim eu chorei :)

  • 05 . 03 . 2014

    Esse penúltimo parágrafo poderia servir para todo mundo, né??? Conselho maravilhoso, essencial MESMO.

    • 05 . 03 . 2014

      Essencial e também o mais difícil de todos! :(

      Beijim :**

  • 05 . 03 . 2014

    Adorei teu texto, um pouco triste, de certa forma, como a maioria das coisas que ronda o passado, e talvez por isso eu tenha gostado. Ainda não sei se consigo fazer esse post, não queria fazer nada muito negativo mas não acho que consiga evitar… vamos ver.
    beijos

  • 05 . 03 . 2014

    Ei Bárbara :)
    Que foto linda! A viagem deve ter sido mesmo transformadora, elas sempre são, né?
    E os conflitos com a mãe sempre existem. E sempre passam, quando a gente descobre que elas só estão tentando acertar..
    Beijo

    • 05 . 03 . 2014

      Ei Ana! (Cê me chamando de Bárbara me fez ficar tipo “ops que que eu fiz” aioeuhoaeuah)

      Te contar que essa foi uma das primeiras fotos que eu tirei em Londres, cridita?

      Existem, só queria não tivessem sido tantos…. :(

      Beijão!

  • 05 . 03 . 2014

    Que lindo! Seria tão bom se a gente já soubesse disso tudo, né? Mas ai a vida não teria graça – e nem erros. :)

    • 05 . 03 . 2014

      Verdade, Lominha! E também quem disse que criança/adolescente escuta conselho de adulto, né? aoieuhaoieuh

      Beijoca :*

  • 05 . 03 . 2014

    Sua carta me fez chorar. Principalmente pela parte de sua avó!

    Acho que se a minha não estivesse mais comigo, não iria conseguir dizer isso para meu eu de 2004. Amor de vó é algo inexplicável, não é?

    Sua carta ficou ótima!

    Beijinhos e até!

    • 05 . 03 . 2014

      Até arrepiei aqui Helena, sério!

      Sabe, tem muita coisa que eu sinto hoje em dia sobre a minha avó que eu ainda não sou capaz de explicar. Sinto ela presente em todos os momentos e tenho CERTEZA que ela olha por mim. Uma vez alguém me disse que “era lindo ter um guia assim na vida da gente” e é verdade. Chorei baldes escrevendo essa parte, pois apesar de pensar e sonhar o tempo todo com ela, eu nunca comento com ninguém. Então foi diferente transcrever tudo que eu pensava/sentia.

      Um beijo! :*

  • 05 . 03 . 2014

    nossa, acho que de todas as cartas que eu já li (e foi bastante) essa foi a que mais me pegou. me identifiquei muito, e mais ainda nas partes sobre os sentimentos não caberem dentro de você e sobre a sua avó <3

    ficou linda! <3

    • 05 . 03 . 2014

      A parte da minha avó foi a mais dolorosa. :(

      Brigada moça, beijoca! :*

  • 05 . 03 . 2014

    Ai, Babi! Que coisa mais linda!
    É engraçado, mas eu não venho no seu blog só por gostar do que você posta, mas sim porque temos várias coisas em comum. Li sua carta e em muitas palavras poderia ser eu falando.
    Sobre minha mãe, sobre fazer as pazes com meu pai, sobre uma avó que faleceu aos meus 12 anos e até hoje sinto taaaaanta falta dela.

    Cheia de sentimentos. Vou fazer um poste assim. =*

    • 05 . 03 . 2014

      CYNTIA, SUA LINDA! Amo quando cê aparece por aqui! <3

      Vai ver que a gente é ~gema~ e não nos avisaram! aoieuhaoeiauhea

      Esse negócio da minha avó é tenso. Já pensei até em procurar tratamento, sonho/penso nela muito mesmo. É bom, mas por um lado é ruim… Não dou descanso pra coitadinha assim… :(

      Beijo! :*

  • 05 . 03 . 2014

    Achei sua carta muito linda! :) Cheia de sensibilidade e bons conselhos! <3
    Beijos!

    • 05 . 03 . 2014

      Bom seria se a gente pudesse enviar mesmo né? Teria sido uma mão na roda!

      :***

  • 05 . 03 . 2014

    “É como se tudo que você fosse não coubesse dentro de você. Esse sentimento vai durar, creio, até o fim de seus dias.”

    Nivel de identificação: 1.000. Lágrimas: 98%.
    Existe mais beleza nas coisas tristes do que se imagina. ♥

    • 05 . 03 . 2014

      Toca aqui então! o/

      Infelizmente, quando tou nas TPM da vida é quando fico mais criativa pra escrever! :/

  • 05 . 03 . 2014

    Que lindo e triste! Chorei um pouquinho aqui.

    • 05 . 03 . 2014

      OIUAHEOIUAHEA na verdade nem era pra ter sido triste, mas foi inevitável :/ Chora não sô :*

  • 05 . 03 . 2014

    Que lindo ♥